Categoria: Distribuir

ESB ou iPaaS: qual é melhor para uma integração de TI de varejo?

Este blog faz parte de uma série ocasional que compartilhamos para ajudar os profissionais de desenvolvimento e TI focados na integração a educar seus colegas organizacionais e defender o importante trabalho que você faz.

Você é um varejista lutando para encontrar a melhor solução para sua integração de TI? Você precisa de algo que seja ágil o suficiente para escalar durante os períodos de pico e retrair durante os ciclos mais lentos - um sistema viável que integrará a arquitetura local herdada com aplicativos baseados em nuvem. 

Mais importante ainda, você precisa de uma infraestrutura de TI que ofereça a melhor experiência de cliente omnicanal (CX), gerenciando níveis massivos de big data em vários locais. Isso é uma tarefa difícil. Não é de admirar que esteja mantendo você acordado à noite. Sua decisão terá efeitos duradouros em sua empresa. O movimento errado pode atingir os resultados financeiros com força.

Composable Commerce: A integração do comércio eletrônico é realmente uma “obrigação”?

Composable commerce é um conceito que ganhou popularidade substancial nos últimos anos e está prestes a ser um dos diferenciais críticos de negócios no próximo ano para os varejistas. Embora o conceito de composição ressoe fundamentalmente com os profissionais de TI, o diabo está nos detalhes (como sempre). Como você define a capacidade de composição quando aplicada especificamente ao comércio eletrônico e à tecnologia de varejo? Como você define os benefícios do combinable commerce – e os riscos de não avançar para a composability? E o mais importante, o que você pode realmente fazer hoje que iniciará a transformação de monolítico em componível?

ESB vs iPaaS: como escolher a melhor solução para suas integrações de TI

Este blog faz parte de uma série ocasional que compartilhamos para ajudar os profissionais de desenvolvimento e TI focados na integração a educar seus colegas organizacionais e defender o importante trabalho que você faz.

Os líderes de negócios e de TI lutam com decisões de TI complexas – e muitas vezes caras – que têm efeitos significativos e duradouros em suas empresas. O cenário de TI está mudando constantemente, então pode ser difícil saber o que é melhor para agora e para o futuro. A decisão errada pode afetar fortemente os resultados financeiros de uma empresa e causar dores de cabeça contínuas que são totalmente evitáveis.

Este artigo compara os modelos Enterprise Service Bus (ESB) com soluções de integração como serviço (iPaaS) para as necessidades atuais de integração. Para uma comparação justa, primeiro você deve entender a diferença entre ESB e iPaaS.

O que é ESB e já está obsoleto?

Um Enterprise Service Bus, também conhecido como ESB, é um tipo de arquitetura de TI que permite que vários aplicativos se comuniquem por meio de um hub ou infraestrutura semelhante a um barramento. O que é o Enterprise Service Bus e o que o ESB significa para sua integração de TI? Uma integração ESB basicamente estabelece princípios e regras que orientam os recursos de comunicação de diferentes aplicativos. tecnologia-do-futuro-transformação-digital

Experiências do cliente: colocando sua tecnologia onde está sua boca

Oferecer uma experiência de cliente excepcional e personalizada (CX) requer mais do que um site incrível e um chatbot inteligente (por mais envolvente que seja). A realidade é que a experiência do cliente é contínua e para sempre. Sim, o maior obstáculo é converter um site inicial ou uma visita à loja em uma venda, mas o CX não termina aí. Está realmente apenas começando.

Como um modelo de comércio varejista unificado está remodelando a indústria, de acordo com o Gartner®

Varejistas de sucesso são resilientes, capazes de responder às mudanças do mercado com agilidade e equilíbrio. Nos últimos anos, o papel da tecnologia provou ser o maior diferencial, permitindo que os varejistas acomodem facilmente o inesperado, enquanto entidades menos preparadas simplesmente desaparecem.

Mas com novas tecnologias e modelos de negócios surgem novos métodos de como medimos os resultados de negócios e desempenho. 

Num relatório recente da Gartner, os analistas examinam esta mudança. A pesquisa enfatiza o papel dos CIOs estratégicos e de outros líderes na criação de novos KPIs digitais que medem e quantificam o progresso, informando decisões importantes e garantindo o sucesso do negócio. 

A era da informação no varejo: dados, dados em todos os lugares

Os varejistas estão firmemente a bordo do trem da transformação digital, reinventando a forma como fazem negócios para encantar os consumidores com experiências omnicanal e personalizadas. Longe vão as pilhas de tecnologia monolíticas, substituídas por tecnologias ágeis e modelos de arquitetura combináveis que apoiam o sucesso do negócio hoje e no futuro.

No entanto, na pressa de digitalizar, muitos varejistas ignoram os volumes sem precedentes de dados gerados por essas novas (e existentes) tecnologias. Embora muita reflexão seja investida na otimização da experiência do cliente (CX), estabelecer como gerenciar o armazenamento e a análise de tantos dados costuma ser uma reflexão tardia.

3 maneiras pelas quais as soluções de TI de varejo podem ajudar a melhorar a experiência do cliente

A experiência do cliente é a chave para obter lucro no setor de varejo. Embora manter os compradores satisfeitos com sua marca sempre tenha sido uma alta prioridade para as organizações de varejo, sua importância atingiu níveis sem precedentes.

E como as incertezas econômicas persistem nos Estados Unidos e em todo o mundo, a capacidade de oferecer a melhor experiência que os consumidores esperam em troca de seus negócios tornou-se uma questão de vida ou morte para muitas empresas. Então, como otimizar a experiência do cliente – e qual é o papel da TI no varejo?

O quadro geral: como a integração de análise de dados com EI oferece suporte à previsão de demanda de varejo

Os sistemas de informação do varejo devem encontrar uma maneira de funcionar como um canal entre o mundo digital e o mundo físico, um verdadeiro desafio quando ambos estão constantemente mudando de maneiras diferentes. Por um lado, o cliente espera uma solução rápida, fácil e experiência omnicanal personalizada do conforto do sofá, por outro lado, suas soluções de TI de varejo não devem apenas fornecer isso, mas também fornecer uma entrega rápida e contínua dos itens físicos que compraram, mesmo que sejam 200 libras de mármore italiano para o balcão da cozinha . 

Todo produto físico requer matérias-primas, fabricação e envio (no mínimo) para o usuário final. Como não há como evitar esses custos, acabar com o estoque em excesso pode rapidamente se tornar uma grande despesa. Mas como esse processo de fabricação também leva mais tempo do que um cliente estaria disposto a esperar, na maioria dos casos ele deve ser concluído antes do pedido do cliente, o que significa que o varejista acaba novamente em uma posição desafiadora, onde corre o risco de ter muito ou muito pouco à mão. Dessa forma, a previsão precisa da demanda de varejo é essencial para preservar seus resultados.

Transformação digital do varejo em 2023: alto e na nuvem

A nuvem, combinada com tecnologias digitais, reinventou a forma como os varejistas se conectam e atendem seus clientes. Outrora domínio de megalojas e plataformas de comércio eletrônico com orçamento e recursos para oferecer suporte à infraestrutura local, hoje a nuvem está desbloqueando experiências digitais do cliente para varejistas de todas as formas e tamanhos. 

E os comerciantes estão adorando, capazes de criar experiências personalizadas e selecionadas em vários canais enquanto aumentam as taxas de conversão e o valor médio do pedido (AOV). Mas nem sempre foi assim.